Comunicação sobre vacinação segura: Orientação para apoiar os trabalhadores da saúde

Todos os anos as vacinas salvam entre 2 e 3 milhões de vidas e protegem toda a população contra mais de uma dúzia de doenças potencialmente letais. Graças à vacinação, a varíola foi erradicada em 1980 e estamos em vias de erradicar a poliomielite. Porém, nos últimos anos houve um aumento nos casos de sarampo, uma das doenças mais contagiosas conhecidas. Por esse motivo, é necessário conseguir uma cobertura de vacinação de 95% ou mais, o que é um grande desafio técnico e de comunicação para os trabalhadores da saúde. Estudos mostram que informar sobre a qualidade, a segurança, a eficácia e a disponibilidade de vacinas não tem sido suficiente para mudar a conduta do público frente à vacinação, e que, de maneira geral, não aumenta a cobertura vacinal. Por esta razão, é necessário compreender as razões pelas quais as pessoas não se vacinam ou não vacinam seus filhos, com o objetivo de iniciar um diálogo bidirecional com base no respeito, que tenha como resultado mensagens melhores e mais eficazes.

Propósito
Fornecer às equipes de saúde ferramentas que apoiem a comunicação eficaz entre o trabalhador da saúde e a população em geral, com o objetivo de fortalecer, manter ou recuperar a confiança nas vacinas e nos programas de imunização na Região das Américas.

Objetivos

  1. Identificar os fatores que influenciam a decisão de vacinar.
  2. Caracterizar o espectro de reticência à vacinação.
  3. Descrever estratégias de comunicação na interação com pais, mães, cuidadores e pacientes.
  4. Identificar estratégias para melhorar a experiência da administração de vacinas.
  5. Reconhecer perguntas mais frequentes sobre vacinação em geral e sobre influenza, vírus do papiloma humano, sarampo e COVID-19 em particular.
  6. Analisar formas de corrigir informações falsas e percepções errôneas sobre vacinas.
  7. Descrever como comunicar os eventos supostamente atribuíveis à vacinação e à imunização.

Destinatários
O curso está dirigido aos trabalhadores da saúde em geral.

Número de horas que o curso certifica
São necessárias cerca de 3 horas para completar o curso.

Modalidade do curso
O curso está aberto e disponível no Campus Virtual de Saúde Pública (CVSP) da OPAS/OMS. Como é um curso de autoaprendizagem, os participantes podem regular seu próprio tempo e momentos de dedicação. Estima-se um tempo de duração de 30 minutos por módulo, dependendo do nível de conhecimento do participante sobre o assunto. Portanto, considerando o tempo estimado para completar os módulos do curso e as avaliações correspondentes, o tempo total dedicado ao curso é de 3 horas.

Competências que o curso permite desenvolver
O curso fornece oportunidades para desenvolver competências vinculadas à gestão e uso compartilhado de informações e documentação sobre imunização com a incorporação de uma abordagem rigorosa, colaborativa e adaptável à tomada de decisões em diferentes âmbitos, para atingir as metas referentes à cobertura do programa.

Estrutura do curso

  • Introdução
  • M1: Entender o interlocutor
  • M2: Estratégias de comunicação e de melhoria da experiência
  • M3: Perguntas e respostas sobre vacinação e algumas doenças
  • M4.1: Corrigir informações falsas e derrubar mitos
  • M4.2: Comunicação sobre os ESAVI
  • M4.3: Cenário Integrador
  • M5: Resumo
     
Última atualização: 09/Mai/2023